COISAS PARA DOAÇÃO

Sintomático. Como as lascas que caem de uma palmeira. Um lugar repleto de coisas desnecessárias. Deixo-as e vou embora. Agora. Ando assim e me faço outro. Eu-me-faço-outro. Nada nem ninguém tem noção do que isso quer dizer. Com relação a mim, claro. Porque cada um tem o seu lugar-cheio-de-coisas-para-doação. Cada um é responsável por suas coisas inúteis. O meu lugar virou estoque de uma loja de departamentos. E foi justamente no meu apartamento que me vi nu. E sozinho.

2 comentários:

Anônimo disse...

eu de novo...nao bate..rs...mas é q esse teu poema me lembrou 'O encontro marcado' de Fernando Sabino...daí completo: marcado e logo deixado: novo caminho...por se fazer outro no mesmo instante...sintomático porque talvez esse deixar um pedaco da gente alivia os sintomas apenas...talvez vc ainda faca um poema em que volte a todas as lascas de palmeiras deixadas...talvez eu esteja falando demais sobre coisas que so o poeta sabe...talvez ele volte e se reconstrua ao sabor de vc mesmo...preciso te contar: li este poema pelo menos oito vezes...praticamente to debruçada sobre ele...é q ta primoroso...c ttos elementos-imagens...olha, ja fiz mta analise poetica na facul e em sala de aula...mas este me fez parar..meu querido, sem palavras...q bom ter achado este lugar p visitar: teu blog!...abracos, mo amorim

Anônimo disse...

meu querido...ainda estou parada aqui, "nesse estoque de loja de departamentos"...eu pretendo passear por ele até decifrar o decifrável...pq das outras coisas...ah! as outras coisas devem estar no sótão do poeta...rs...fiquei feliz tb c tua felicidade assustada...pode ficar tranquilo...nao estamos sozinhos. ainda q todo o mundo pareca superficial...há uns seres escondidos por ai...q sao especiais, deliciosamente melancolicos e ainda, param para ler e serem lidos em poemas que agora, de tao lidos, sao eternos...mas calma...sao poucos...eu, vc e mais meia duzia...rs...brincadeira...o importante é reconhecer essas pessoas pelo caminho...e fazer-se outro com um pouco do outro também...e sabe, o que me salva é isso: encontrar pessoas assim...escreve mais, ta? beijos, mo