Um texto que encontrei revirando minhas gavetas virtuais. Não tenho a data precisa, mas deve ser lá dos idos de 2005, em Santos.

SITUA O CIDADÃO

Situa o cidadão. Um monte de desgraça na TV. Cacete! Aí preparo um chá de raiz de lótus. Pra quê? Dizem que é bom pras vias respiratórias. O brasileiro adora tomar um comprimido. Li numa matéria da revista... hum... Preciso tomar um remédio para memória.

Faz frio. Já fumei a cota de cigarros por hoje. Que vontade. Aí fui tomar um café no shopping hoje à tarde. Lá onde dá para ficar sentado, ler uma revista, um livro; lá onde tem espaço para fumantes. Mas não fumei. Resisti. Pedi uma água com gás e fiquei lendo a Cult que comprei. A dos filósofos. E comecei a pensar na morte. Coisa louca, né? Ficar pensando na morte às cinco da tarde de uma sexta-feira chuvosa, numa cafeteria onde se pode sentar, ler uma revista ou um livro, e fumar. Mas não fumei. Resisti.

Foi o Michel Onfray. O cara é danado. Montou uma universidade popular gratuita no norte da França e suas aulas são transmitidas por uma rádio estatal. Cacete! Dizem que é super cortejado pelo povo francês hoje. Acredito. Apedraja as três grandes religiões monoteístas do mundo: cristianismo, judaísmo e islamismo. Acredito. O povo quer novos ídolos. Cacete! O cara é danado.

Desligo a TV. Fico pensando se não é uma atitude muito radical. Torno a ligá-la. Mudo de canal. Penso que é uma atitude mais moderada. Termino o meu chá. Olho para a linha da vida da minha mão direita. Ainda não está na hora. Ufa, respiro aliviado. Tchau. Vou fumar um cigarro.

Comentários

Ju Rodrigues disse…
Tem certas horas que a linha da vida dá mesmo um alívio... ainda bem! Assim, ainda podemos mudar o canal (no sentido figurado, claro)- caso alguma coisa não esteja funcionando direito. Aliás, sempre!
Belo texto! E viva as gavetas virtuais!
bei Ju
Olivia Capacci disse…
Amigo, desde já. Ótimo, adoro novos amigos.

Postagens mais visitadas